quarta-feira, 21 de junho de 2017

Personagens com a mesma cara!

Muitas vezes, um personagem tem a mesma cara que outro personagem do autor da obra. E isso é mais comum do que imagina. Outras vezes, o cara utiliza um personagem em outra obra. Simples assim. Até mesmo Yu-Gi-Oh! consegue ser mais original que certos desenhistas antigos. Acredite.
Dragon Ball: É dito que tal pai, tal filho mas isso é ridículo. Bardock é o pai de Goku e Raditz. E parece muito com seus filhos. Pelo menos um deles. Que convenientemente é o protagonista da série. Bacana, a gente tolera isso. Até certo ponto. O engraçado é que ele deve dois filhos. Gohan e Gothen, sendo que só depois esse segundo surge. Pior é que só o segundo se parece com o pai.
Isso sem contar que em um determinado OVA surge um cara chamado Turles, que é a cara do Goku. Como? Eu não sei, talvez o Bardock tenha pulado a cerca. Só que nem é tão ruim assim, mas nota-se que algumas vezes ele não faz só isso com o protagonista. Fazer o que... Nem sempre autores tem boas ideias...
Cavaleiros do Zodíaco: Bem, o problema não é bem só o anime/mangá. Nós temos nesse os protagonistas: Seiya, Shun, Hyoga, Shiryu e Ikki... Que vão ser repetidos SEMPRE! Não na obra, mas e outras histórias.
Quem viu os desenhos e mangás de Masami Kurumada veem que isso ocorre sempre nas séries: é o mesmo tipo de rosto para o Seiya em Cavaleiros do Zodíaco, mas também serve para BT'X, Fuuma no Kojiro, Ring ni Kakero e tantas outras obras do cara. Ai você pensa, "ah é só com o principal". Mas não. Além de aparecerem outros personagens que são a cara dos personagens secundários de CdZ, aqui ainda temos referências a outras coisas. Como uma ave mecânica que é a cara da fênix, ou a montaria e proteção especial de Teppei (de BT'X) sendo um pegaso. Deus me livre!

terça-feira, 20 de junho de 2017

Anos 80: Watchmen, O Cavaleiro das Trevas e Sandman

Uma nova visão tinha sido aberta graças a Marvel, mas foi com a DC Comics que as histórias em quadrinhos atingiram um patamar nunca antes atingido. Seguindo as mudanças que surgiram na década de 60, muitos roteiros com conteúdo mais pesado e temáticas abrangentes surgiam. Uma delas que se destaca é Watchmen.
Nela temos um roteiro escrito por Alan Moore e desenhado por Dave Gibbons. Aqui podemos ver o que poderia acontecer se heróis REALMENTE existissem em nosso mundo. No contexto desse enredo, os Estados Unidos não perderam a Guerra do Vietnã, além de obter um salto tecnológico. Tudo isso devido ao surgimento de um ser onisciente e onipotente chamado Doutor Manhattan. Ele consegue controlar toda a matéria em níveis moleculares. Sem contar que nele, os vigilantes mascarados existem, mas em pequeno número, membros do antigo grupo Minutemen. Porém, alguém vem tentando eliminar os antigos membros da equipe. Começando por aquele que ainda servia o governo americano, o Comediante.
Já em Cavaleiro das Trevas, temos um futuro onde o Batman não existe mais. Ou melhor dizendo, em que Bruce Wayne desistiu da vida como Homem-Morcego. Mais idoso, e com problemas físicos, ele sente que algo está errado em Gotham. E assume mais uma vez o manto como herói. Contudo, quando ele volta à ativa isso chama atenção de novos e velhos vilões. Sem contar o olhar ferrenho do governo americano que não admite mais vigilantes. Fazendo o próprio Superman ser escalado para lidar com o problema.
Com Sandman, a história tomou outra narrativa. Literalmente. Sandman era um personagem vindo da Era de Ouro, que deve várias encarnações. Contudo, a DC estava disposta a revitaliza-lo. E escalaram a pessoa certa para isso.
Em 1988, Sandman ganharia uma cara nova cara pelas mãos do inglês Neil Gaiman. Ele já tinha feito um excelente trabalho com a personagem Orquídea Negra a revitalizando. E reestruturou esse personagem também. Para começo de conversa ele não seria mais um herói. Na verdade, seria um ser bem diferente pela sua nova história de criação. Com pele pálida, um visual mais próximo de roqueiro, ao estilo de Robert Smith do The Cure. Sem contar que como era o mestre do plano dos sonhos seria mais misterioso. Em resumo: ele não seria mais um aventureiro. Ele é o próprio Sonho. Um quadrinho com temática mais voltada para os adultos.
Sandman nessa história seria um dos membros de uma família bem peculiar e diferente: os Perpétuos ou Sem-Fim. Seres superiores aos deuses. São compostos por Morte, Desejo, Delírio, Destino, Desespero, Destruição e Sonho. Como pode notar, boa parte deles começa com D, mas isso só em português. Em inglês temos Dream (Sonho) e Death (Morte). Muitas de suas histórias ocorrem por conta de desavenças ou contato entre ele e seus irmãos.
Ele é tratado por vários nomes: Mestre dos Sonhos, Lorde Morpheus, Sonho, Kai'ckul, Oneiros, Lorde Moldador, entre tantos outros nomes. Um grupo de místicos liderados por Roderick Burgess aprisiona o personagem em 1916, dentro de uma redoma transparente. Na verdade, eles queriam sua irmã (no caso Morte), pois assim poderiam obter a imortalidade. Depois de um longo tempo aprisionado, ele se libera e descobre que seu mundo (O Sonhar) ficou uma bagunça. Sem contar que seus itens roubados, quando foi preso, foram espalhados pelo mundo. Sua algibeira, com areia dos sonhos, estava entre as posses de John Constantine. Seu elmo foi entregue a um demônio, o que lhe fará ter que lidar com o próprio Lucífer. Por último, ele terá que combater Doutor Destino para conseguir de volta o seu rubi, um vilão da DC.
No caso de Watchmen e O Cavaleiro das Trevas, nós temos uma população no enredo, que já se acostumou com heróis. Tanto que nem sempre os vem como “anjos salvadores” e sim como problemas a serem resolvidos. Ainda assim, não são todos que pensam assim. Podemos nos focar também nos mascarados que aqui são tratados de forma real. Envelhecendo, se irritando e com falhas morais extremamente mais aprofundadas. Como o uso de álcool e problemas cardíacos.
Em Sandman temos personagens sendo usados de maneira mais bem narrada, onde as lendas antigas são tratadas com mais realismo. Sem contar o encontro de coisas com teor mitológico e arcaico com coisas do período contemporâneo. Sexualidade, palavrões, violência, AIDS, homossexualismo, distúrbios mentais, são temas tratados muito próximos de coisas como rituais, mundos sobrenaturais, forças ocultas e cósmicas. De maneira tão boa que podemos nomear esses quadrinhos de adultos. Lembrando que esse personagem fez parte de uma divisão da DC Comics, ao qual se chama Vertigo.
Nos anos 80, a influência dos mangás e animes nos quadrinhos americanos se torna mais evidente. Através de outra obra de Frank Miller, Ronin. No enredo, um samurai perde seu mestre durante uma batalha contra o demônio Agat pela busca de uma espada encantada. Ambos são mortos ao mesmo tempo, e renascem num futuro distópico. Não foi muito bem recebida pelo público da época, por ser uma forma de contar histórias muito inovadora, mas foi muito aclamada pela crítica. Talvez isso tenha feito essa obra se tornar uma história em quadrinhos um tanto desconhecida. Muitas de suas inspirações foram de origem nipônica, como Lobo Solitário entre outros.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Adaptações de games para filmes (parte 2 - os maus)


Assim como os filmes de animes, os games tiveram muitas coisas ruins em seu currículo. Por incrível que pareça MAIS que os animes. Talvez por muitos acreditarem que animes são infantis. Mas vamos as bostas...
Street Fighter - A Batalha Final: A terra de Shadaloo esta sendo dominada pelo maligno M. Bison. Para isso as Forças Especiais chamam o coronel Guile para lidar com o inimigo. Para tanto ele acredita que talvez possa usar dois jovens trapaceiros, mas excelentes lutadores (Ryu e Ken), para se infiltrar na organização do vilão.
O filme é ruim. Mas bota RUIM nisso. O único motivo do sucesso, talvez tenha sido Raul Julia, famoso ator que fazia Gomez em Família Addams. Tanto que dedicaram o filme a ele. Contudo, não parou no filme: saiu um jogo baseado no filme. E fica claro a influência de Mortal Kombat no jogo. Mas como o filme, foi um fiasco.
Super Mario Bros.: A muitos anos atrás um meteoro caiu na Terra, dividindo ela em dois mundos: um em que o ser humano evoluiu do macaco (o nosso) e o outro no qual ele teria surgido de repteis (o do "cogumelo").
Daisy, uma jovem arqueóloga conhece dois encanadores, Mario Mario e Luigi Mario. E o segundo se apaixona pela garota. Do nada ela é raptada por alguns sujeitos que querem ela e um cristal que ela possuí. Ele capturam ela, mas Luigi fica com a pedra. Então ele e seu irmão, se unem e caem sem querer em um mundo que mais parece ser uma alternativa para cenário ruim de Mad Max. 
Tudo isso foi planejado pelo Bowser que aqui é um humano... Mas depois se torna um t-rex! Tudo a ver com a história original não é? Não!
House of the Dead: Um grupo de amigos decide ir para uma rave em uma ilha extremamente isolada. Ao chegarem por lá, encontram o lugar completamente abandonado. Com claros sinais de perigo. Mas ao invés de fugirem, o que eles fazem? Continuam festejando como se nada estivesse acontecendo. Com cenas de nudez e sexo... Mas quando isso esta para acontecer o clichê manda que os personagens morram. É lógico! E do nada zumbis atacam!
O filme é muito ruim! Tanto que cenas de transição ao invés de bem feitas e trabalhadas tem imagens do jogo! Para que isso! Qualquer diretor iniciante saberia fazer isso! E eu nem preciso falar da falhas de roteiro ou uso forçado de bullet times e por ai vai.
Alone in the Dark: Edward Carnby é um investigador particular especializado em casos sobrenaturais. Após a súbita morte de um dos seus amigos, ele inicia uma investigação por conta própria em busca de respostas. Porém à medida que se aproxima da verdade Edward traz à tona fatos do seu próprio passado, que fazem com que ele corra risco de vida.
Os filmes (sim, ao que parece tem mais de um) são tão ruins quanto as sequências dos games! Então... Fique só no primeiro... Jogo! Só isso!
Tekken: O filme segue a história de Jin Kazama em sua tentativa de entrar no Torneio Punho de Ferro, a fim de vingar a perda de sua mãe, Jun Kazama, confrontando seu pai, Kazuya Mishima e seu avô, Heihachi Mishima, este último de quem ele pensava que era responsável por sua morte.
Ambientado em 2039, depois de duas guerras mundiais destruíram grande parte da civilização como a conhecemos, territórios já não são geridos pelos governos, mas por corporações, a mais poderosa é a Corporação Tekken.
O único grande nome desse filme é Cary-Hiroyuki Tagawa, e eu não sei como ele se sujeitou a essa porcaria!
The King of Fighters - A Batalha Final: Um trio de lutadores terá que derrotar o poderoso vilão Rugal no torneio King of Fighters. Rugal havia sido banido do torneio, mas está de volta. Com um orçamento baixíssimo de US$ 12.000.000, a história do filme The King of Fighters: A Batalha Final é baseada no jogo The King of Fighters, mas precisamente na saga de Rugal e Orochi. O filme foi um fracasso, principalmente porque tem um péssimo roteiro e uma direção confusa. Chan que é conhecido aqui por outro péssimo filme, O Medalhão (2003), não consegue contar uma história pelo menos interessante. Do elelnco vale a pen citar o bom ator Wii Yun Lee e Ray Park, mas não pelo seus trabalhos aqui.
Street Fighter - A Lenda de Chun-li: É o segundo filme produzido sobre a série de jogos eletrônicos da Street Fighter. Mas ao contrário do primeiro filme, a história é focada numa única personagem: Chun-Li.
Em meio ao caos de Bangok vive Chun-Li, que abriu mão de uma vida de facilidades para se tornar uma street fighter, de forma que pudesse lutar por outras pessoas. Em especial, ao mal da Shadaloo e de Bison. Seu mentor é Gen, que no passado foi um grande malfeitor mas hoje está regenerado. A dupla está decidida a deter Bison, assim como o detetive Charlie Nash e sua parceira Maya Sunee.
O único motivo para assistir essa série é ver Kristin Kreuk como Chun-Li. E sério? Seria melhor ela continuar como Lana Lang em Smallville... Passaria menos vergonha.

domingo, 18 de junho de 2017

Cosplays diversos (do Instagram) 19

Mikhael - Instagram - @armored_idiot

Coleman - Instagram: @colemancosplays

Dolly Fallon - Instagram: @dolliliciouscosplay

CAT - Instagram: @sabercreative

Kate Sarkissian - Instagram: @k8sarkissian

Vivid Vision - Instagram: @vivid_vision
Jannet - Instagram: @jannetincosplay

sábado, 17 de junho de 2017

Polêmicas em animes (Dragon Ball)

Roleta russa: Em um determinado episódio, quando Goku esta no caminho da serpente (aquele que ele faz para encontrar o Senhor Kaioh), ele é desafiado por algumas garotas serpentes para jogar roleta russa. E ele joga! Mas por conta disso, ele sem querer (SEM QUERER) ele mata ela com a bala da arma! E ainda diz que aquilo é perigoso!
Goku e a calcinha: Esse é muito conhecido. Em determinada parte, o Goku ainda criança dorme no mesmo quarto que Bulma. Lá, ele deita entre as pernas dela. Contudo, ele se incomoda por não ter uma "elevação" ali (quando dormia com com seu avó, tinha uma coisa para usar como "travesseiro"). Então ele tira a calcinha, mas se assusta por conta disso. Gritando e acordando a garota de forma assustada. Isso também apavora a garota que não nota que Goku lhe tirou a calcinha.
Mais tarde, Bulma encontra o Mestre Kame, junto a Goku. E ele pede que a garota lhe mostre a calcinha, só que ela - como dito antes - não sabia que estava sem calcinha. Resultado: Mestre Kame viu as partes intimas da guria ANTES de Yamcha e Vegeta.
O elefante de Dragon Ball Super: Mal começou, e o arco Universe Survival, de Dragon Ball Super já está causando polêmica por conta de um de seus personagens, neste caso, o deus da Destruição do universo 10, cuja aparência é de um elefante inspirado em Ganesha, o deus-elefante, considerado uma divindade na Índia. A “homenagem” não está agradando em nada aos indianos.
Segundo Rajan Zed, presidente da Universal Society of Hinduism (Sociedade Universal do Hinduísmo), o que está sendo mostrado é uma trivialização e distorção de Ganesha, que é o visto por eles como o deus da sabedoria e capaz de retirar os obstáculos, e é sempre invocado antes de se fazer um grande empreendimento. Zed destacou que Ganesha adora templos e casas e que não deve ser colocado como um personagem malvado numa série de TV para ganhar dinheiro. Na declaração, ele ainda pede a Toei, aos produtores e a FUNimation que retirem o personagem do anime.
Mestre Kame o SAFADÃO: Em Dragon Ball Z, Kame é um safado. Só que ele supera todas as espectativas! Prova? Na luta contra sayabamens, monstros a serviço de Vegeta e Nappa, Yamcha morre. Quando Bulma vê essa luta e esta quase se sente triste, lembra que ele poderá ser ressuscitado pelas esferas dos dragões. Ao invés de só a reconfortar... O cara pega na bunda da moça.
Bulma mijona: No episódio inicial de Dragon Ball, quando Goku consegue o bastão mágico que cresce, esta caindo, e pretende salvar Bulma (depois dessa ser levada por pterodátilo). Ele prende a garota em um abismo com sua arma. Mas a menina ficou com tanto medo que se mija toda.
De novo Bulma: De novo ela: Bulma teve seus seios confundidos com esferas do dragão (sério!) e acordou assim. Por incrível que possa parecer, Bulma é quase tão polêmica quanto Mestre Kame no começo da série.
Dragon Satanic: Como se não bastasse, o anime foi acusado de satanismo pelo número do carro que aparece no encerramento de Dragon Ball Z. Ninguém que o pai da Videl se chama SATAN! 

sexta-feira, 16 de junho de 2017

O lado obscuro do k-pop


"-Muitos trainees sofrem de abusos sexuais mas mantêm o silêncio para poderem debutar.
-Dentro da indústria de kpop existe uma larga rede de prostituição e abusos sexuais. A cantora G.Na foi acusada de prostituição recentemente.
-Muitos idols aparentam ser ricos porém são pobres e escravizados pela própria empresa. 
-A competição entre trainees na coreia é tão forte que, após não ser convocada para debutar num novo grupo, a Sojin do Baby Kara se suicidou. 
-A maioria das companhias disponibilizam de palestras anti-suicídio para seus trainees.
-Sasaengs são fãs loucas que fazem tudo por atenção. Diariamente existem sasaengs com intenções de machucar os idols, incluindo seus bias.
-O machismo no kpop é tão forte que as garotas são censuradas na TV por nudez, porém os garotos podem tirar a camisa e mostrar o corpo.
-Muitas vezes as garotas só comem uma refeição do dia. Forçadas a viver uma vida anoréxica para terem o corpo do padrão coreano.
-Várias trainees ou rookies são abordadas por idols mais velhos que tentam pegar elas. Eles costumam ser bastante sujos.
-We Got Married é tudo scriptado, não é expontâneo. E (a maioria) dos casais são feitos para desviar suspeitas de homossexualidade. 
-Vários casais entre idols são pura questão de marketing. O namoro "começa" quando os grupos estão flopando e isso dá ibope.
-A pressão de ser um idol é tão grande que vários têm problemas psicológicos sem nós mesmo sabermos. Incluindo depressão.
-Há um site de webcamsex na coreia, várias pessoas alegam ter visto idols fazendo lives lá, recentemente um ator foi exposto.
-O público coreano é realmente muito ruim. Vários idols foram ameaçados de morte por motivos fúteis, exemplo: começar a namorar.
-Existe sim homossexualidade nos grupos mas eles são forçados a esconder e em casos extremos são forçados a participar em tv shows tipo WGM.
-Quando Park Bom se envolveu no escândalo de drogas os coreanos fizeram uma petição para ela ser punida com pena de morte na China.
-Você acha que seu bias é 100% natural? 96% dos idols foram submetidos a pelo menos uma cirurgia plástica.
-Várias idols já engravidaram e foram forçadas a abortar para não perderem as suas carreiras.
-Os idols são constantemente vítimas de cyberbullying e isso resulta em suicidios ou tentativas de suicídio. Cuidado com as palavras.
-Se acha que T-Ara é o único grupo onde existiu bullying: Errou. Em mais de 50% dos grupos existem casos de bullying severo.
-Sasaengs são ruins mas anti-fãs são ainda piores. Elas costumam enviar emails com ameaças de morte
-Os idols têm de assinar um contrato declarando que não podem namorar durante um tempo que varia de 3 a 10 anos.
-Há muito racismo no kpop, especialmente com idols japoneses/chineses. Diariamente são bombardeados com comentários tipo:"volte pra seu país"
-Os trainees costumam ficar entre 5 a 10 anos treinando e alguns chegam a ser dispensados sem debutar. 10 anos trabalhando 14 horas pra nada.
-Antes de chorar pedindo por um comeback do seu bias pense: A cada comeback eles DIARIAMENTE dão shows e vão à radio/TV durante 2 a 5 meses."
Esses dados foram extraídos da página KKT do Facebook.